Oração subordinada adjetiva

16 nov
Oração subordinada
-Porque exerce função sintática
Adjetiva
-Porque exerce função de adjunto adnominal, própria do adjetivo.
Sempre virá introduzida por um pronome relativo. A oração adjetiva pode vir depois da oração principal ou estar nela intercalada.
Exemplos:
•Serão premiados os alunos que conseguirem melhor nota.
•Os alunos que conseguirem melhor nota serão premiados.
Quanto ao sentido, as orações subordinadas adjetivas classificam-se em:
•Restritivas: restringem o significado do nome a que se referem.

– O homem que fuma vive menos.

– Os jogadores que foram convocados apresentaram-se ontem.

•Explicativas: não restringem o significado do nome; pelo contrário, acrescentam uma característica que é próprio do elemento à que se referem.

– O homem, que é um ser racional, aprende com os erros.

– Capitu, que é uma personagem criada por Machado de Assis, tinha olhos de ressaca.

Funções sintáticas dos pronomes relativos:

•Sujeito:

O sol, que é uma estrela, é o centro de nosso sistema planetário.(que-> substitui o sol, que é o sujeito)

•Objeto direto

Os trabalhos que faço me dão prazer

Objeto indireto

Os filmes a que nós nos referimos são italianos.

Predicativo do sujeito

O atleta saudável que ele sempre foi hoje está fora das pistas por causa de um acidente.

Complemento nominal

O filme a que fizeram referência foi premiado.

Adjunto adnominal

O menino cujo pai é médico deverá seguir a carreira do pai.

Agente da  passiva:

O médico por quem fui operado é tambem professor da universidade.

Adjunto adverbial:

A cidade em que moro é bastante tranquila

Exercícios:

(UF-PA) Há no período uma oração subordinada adjetiva:

a) Ele falou que compraria a casa.
b) Não fale alto, que ela pode ouvir.
c) Vamos embora, que o dia está amanhecendo.
d) Em time que ganha não se mexe.
e) Parece que a prova não está difícil.

2 – Leia os períodos abaixo. Eles foram formados por orações subordinadas adjetivas, aquelas que possuem valor de um adjetivo, se classificam em restritivas e explicativas. Classifique cada oração destacada e marque o item que possui a seqüência correta dessa classificação.

I. O jovem que se esforça progride.

II. O livro que li é muito bom.

III. Teresa, que era personagem principal, morre no final da história.

a) Restritiva — Explicativa — Explicativa

b) Restritiva — Restritiva — Explicativa

c) Explicativa — Restritiva — Restritiva

d) Explicativa — Explicativa — Restritiva

e) Restritiva — Explicativa — Restritiva

3 – Reescreva as frases transformando as orações subordinadas adjetivas em adjetivos:

a)Este é um tipo de tarefa que não se executa
b)É um texto que não se pode entender.
c)Este é um argumento que não se pode refutar.

Gabarito: 

•(UF-PA)D
•2B
•3
•Este é um tipo de tarefa inexecutável
•É um texto incompreensível
•Este é um argumento irrefutável

Parnasianismo

29 out

O lema do parnasianismo é  A Arte pela Arte, isso significa que para os poetas parnasianistas, o que  importava era a  forma da poesia, e não o seu conteúdo.                                                                                                                                                                                                                                                    A estética da poesia, representada principalmente por sonetos, era cheia de palavras rebuscadas. O tema era objetivo e essencialmente descritivo.

Contexto histórico

O Parnasianismo, no Brasil, foi inaugurado em 1882, com a publicação de Fanfarras, de Teófilo Dias.

No cenário mundial, os principais acontecimentos foram:

A Unificação Italiana, a  Unificação Alemã  e  a divulgação da doutrina positivista.
O panorama histórico brasileiro apresentava:

Ciclo do Café, decadência da Monarquia e proclamação da República

 

Principais caracteristicas:

“arte pela arte”

objetivismo

não se preocupa com as pessoas

uso de palavras difíceis

distância da vida do cotidiano

o poeta é comparado a um ourives

uso de rima rica

metrificação rigorosa

descrição e não idealização

 

Principais autores:

Olavo Bilac (incorporou o movimento influenciado por Camões e Bocage)

Alberto de Oliveira

Raimundo Correa(defende o movimento, não usa palavras difíceis)

 

 

Naturalismo

29 out

O Naturalismo não é uma escola literária, mas uma tendência do Realismo.

Os naturalismo enfatiza o aspecto natural e material do homem, ou seja, o seu corpo, o seu espaço físico, o seu meio social. Assim, o desejo do homem não é visto como um sentimento sublime, da alma, mas sim como um desejo puramente físico e instintivo. Por isso, as obras naturalistas freqüentemente comparam os homens com os animais.

No naturalismo, o homem é um produto do meio em que ele vive. Ou seja, todas as características psicológicas de um indivíduo são determinadas pelo seu meio social, e são justificadas por ele. Por exemplo, se um homem vive entre ladrões, ele também será um ladrão. Se viver entre pessoas boas, ele também será bom. A isso chamamos determinismo social.

Principais caracteristicas:

Romance de tese

visão biológica do mundo

autor= cientista social

determinismo

instinto sobre a razão

patologias sociais

Autores

      Aluísio de Azevedo

Com a publicação de O Mulato, Aluísio se consagrou naturalista, e marcou o início do naturalismo brasileiro.

O Mulato causou impacto na sociedade, principalmente entre o clero e a alta sociedade de São Luis do Maranhão, por abordar temas como o puritanismo sexual, a corrupção clerical e o racismo.

 

 

Realismo

27 set

Realismo é a denominação da reação aos ideais românticos que caracterizou a segunda metade do século XIX, retratando o homem e a sociedade de maneira real.

A literatura realista surge em Portugal com a publicação de Canaã, de Graça Aranha, no Brasil com Memórias Pótumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, e na França com Madame Bovary, de Gustave Flaubert.

Contexto histórico

    As profundas transformações vividas pela sociedade européia levaram a uma mudança de postura diante da realidade: a Europa vive a segunda fase da Revolução Industrial, e ao mesmo tempo conhece o desenvolvimento do pensamento científico e das doutrinas filosóficas e sociais. Durante esse período também é difundido o positivismo de Augusto Comte, o socialismo científico de Marx e Engels e o envolucionismo de Darwin, não havendo mais espaço para as exageradas idealizações românticas.

O marco inicial do Realismo em Portugal foi a Questão Coimbrã, quando se defrontam, de um lado, jovens estudantes de Coimbra, atentos às novas ideias que vinham da França, Inglaterra e Alemanha e, de outro, os velhos românticos de Lisboa.

Características realistas

A produção literária realista surge com uma postura positivista, evolucionista e socialista. O positiviso vai buscar a ciência e a experimentação, o socialismo de Marx quer criar consciência na classe operária , e o evolucionismo começa  a questionar a bíblia e  a existência de Deus.

O realismo só se preocupa com o presente, com o contemporâneo. O objetivismo aparece como negação ao subjetivismo romântico e nos mostra o homem voltado para aquilo que está diante e fora dele; o determinismo relaciona tudo ao dia-a-dia, assim, toda ação tem uma reação.

Principais autores e obras

  •     Machado de Assis

  Costuma-se dividir as obras de Machado de Assis em duas fases: a primeira chamada de fase romântica, onde o autor fica preso a alguns princípios românticos; e a segunada fase, chamada de fase realista, apresentando um autor completamente definido dentro das ideias realistas.

Suas principais obras são Memórias póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba e Machado de Assis, todas da fase realista, sendo as principais características a análise psicológica dos personagens, o pessimismo, o negativismo, a análise da sociedade e a crítica aos valores românticos.

  • Eça de Queirós

    Eça de Queirós também tem sua produção divida em duas fases, a realista e a pós-realista.

As principais obras da fase realista são O crime do padre Amaro, O primo Basílio e Os Maias. Nessas obras, Eça monta um painel da sociedade portuguesa, retratada em seus múltiplos aspectos: a cidade provenciana, a influência do clero, a pequena e média burguesia de Lisboa, os intelectuais, a alta burguesia, etc.

Já a principal obra da fase pós-realista é As cidades e as serras, que é marcada pela desilusão e pelo abandono dos ideais realistas, passando a defender a política colonialista, o nacionalismo e  a vida pura do campo.

   

 

Vidas Secas

8 jun

 

 

EXERCÍCIOS

 1. (FUVEST) Um escritor classificou Vidas secas como “romance desmontável”, tendo em vista sua composição descontínua, feita de episódios relativamente independentes e seqüências parcialmente truncadas.
Essas características da composição do livro:
a) constituem um traço de estilo típico dos romances de Graciliano Ramos e do Regionalismo
nordestino.
b) indicam que ele pertence à fase inicial de Graciliano Ramos, quando este ainda seguia os ditames do primeiro momento do Modernismo.
c) diminuem o seu alcance expressivo, na medida em que dificultam uma visão adequada da realidade sertaneja.
d) revelam, nele, a influência da prosa seca e lacônica de Euclides da Cunha, em Os sertões.
e) relacionam-se à visão limitada e fragmentária que as próprias personagens têm do mundo.

2. (PUC-SP) O mulungu do bebedouro cobria-se de arribações. Mau sinal, provavelmente o sertão ia pegar fogo. Vinham em bandos, arranchavam-se nas árvores da beira do rio, descansavam, bebiam e, como em redor não havia comida, seguiam viagem para o Sul. O casal agoniado sonhava desgraças. O sol chupava os poços, e aquelas excomungadas levavam o resto da água, queriam matar o gado. (…) Alguns dias antes estava sossegado, preparando látegos, consertando cercas. De repente, um risco no céu, outros riscos, milhares de riscos juntos, nuvens, o medonho rumor de asas a anunciar destruição. Ele já andava meio desconfiado vendo as fontes minguarem. E olhava com desgosto a brancura das manhãs longas e a vermelhidão sinistra das tardes. (…)

O trecho acima é de Vidas Secas, obra de Graciliano Ramos. Dele, é incorreto afirmar-se que:
a) prenuncia nova seca e relata a luta incessante que os animais e o homem travam na constante defesa da sobrevivência.
b) marca-se por fatalismo exagerado, em expressão como “o sertão ia pegar fogo”, que impede a manifestação poética da linguagem.
c) atinge um estado de poesia, ao pintar com imagens visuais, em jogo forte de cores, o quadro da penúria da seca.
d) explora a gradação, como recurso estilístico, para anunciar a passagem das aves a caminho do Sul.
e) confirma, no deslocamento das aves, a desconfiança iminente da tragédia, indiciada pela “brancura das manhãs longas e a vermelhidão sinistra das tardes”.

3. Sobre a obra Vidas Secas, de Graciliano Ramos, todas as alternativas estão corretas, EXCETO:

a) O romance focaliza uma família de retirantes, que vive numa espécie de mudez introspectiva, em precárias condições físicas e num degradante estado de condição humana.
b) O relato dos fatos e a análise psicológica dos personagens articulam-se com grande coesão ao longo da obra, colocando o narrador como decifrador dos comportamentos animalescos dos personagens.
c) O ambiente seco e retorcido da caatinga é como um personagem presente em todos os momentos, agindo de forma contínua sobre os seres vivos.
d) A narrativa faz-se em capítulos curtos, quase totalmente independentes e sem ligação cronológica e o narrador é incisivo, direto, coerente com a realidade que fixou.
e) O narrador preocupa-se exclusivamente com a tragédia natural (a seca) e a descrição do espaço não é minuciosa; pelo contrário, revela o espírito de síntese do autor.

4. (UNIARAXÁ) Leia o fragmento abaixo transcrito da obra Vidas Secas e responda a questão a seguir.

Vivia longe dos homens, só se dava bem com animais. Os seus pés duros quebravam espinhos e não sentiam a quentura da terra. Montado confundia-se com o cavalo, grudava-se a ele. E falava uma linguagem cantada, monossilábica e gutural, que o companheiro entendia. A pé, não se agüentava bem. Pendia para um lado, para o outro lado, cambaio, torto e feio. Às vezes, utilizava nas relações com as pessoas a mesma língua com que se dirigia aos brutos – exclamações, onomatopéias. Na verdade falava pouco. Admira as palavras compridas e difíceis da gente da cidade, tentava reproduzir algumas em vão, mas sabia que elas eram inúteis e talvez perigosas. (Graciliano Ramos)

O texto, no seu conjunto, enfatiza:
(A) A pobreza física do personagem.
(B) A falta de escolaridade do personagem.
(C) A miséria moral do personagem.
(D) A identificação do personagem com o mundo animal.
(E) nda

GABARITO

1. E

2. B

3. E

4. D

Memórias de um Sargento de Milícias

7 jun
Memórias
Memórias
 Esse romance se passa no inicio do século XIX, e mostra traços específicos da população média no Brasil no tempo de D. João VI. Nessa parte da população estavam todos aqueles que não eram senhores nem escravos, eram as pessoas comuns.PANORAMA HISTÓRICO No livro Memórias de um sargento de milícias, os personagens podem ser classificados em duas maneiras, os ligados a ordem, e os ligados a desordem.Os ligados a ordem são aqueles, que, de alguma forma respeitem a lei e tenham alguma ocupação. Exemplos disso seria Major Vidigal, que sendo da polícia, perseguia os fora da lei, além de ter uma vida estável, representando o ‘chefe’ da ordem. O barbeiro é outro exemplo disso, que além de ter um trabalho, uma ocupação, acolheu Leonardo quando este foi abandonado pelos pais.

Os ligados a desordem são aqueles que além de não respeitarem a lei, não tem uma ocupação, um emprego, e vivem socialmente instáveis. Exemplos disso são os ciganos, Teotônio, e a população de um modo geral.

Mas, o papel da ordem e desordem não é bem delimitado, ambos se misturam, tornando a divisão imperfeita. Major Vidigal e Leonardo são exemplos disso, o primeiro, representante da ordem, transitou entre os dois núcleos quando aceitou trocar a liberdade de Leonardo pela troca de favores amorosos com Maria Regalada; já o segundo, saiu do mundo da marginalidade (desordem), para se tornar, ao final do livro, o Sargento de Milícias, um representante da lei.

Leonardo é rotulado de pícaro, mas pícaro é ser vagabundo, andarilho, aventureiro, aceitar a mediocridade, a miséria ou um casamento infeliz, e Leonardo, apesar de ter suas semelhanças, não chega a ser um, mas sim, um típico malandro carioca, cheio de esperteza, sarcasmo e desejo de vingança.

Panorama histórico

MEMORIAS DE UM SARGENTO DE MILICIAS

Livro escrito em pleno romantismo, com traços que nos levam a literatura modernista do século XX, na época da independência do brasil, fazendo uma discussão social do Rio de janeiro, sendo tratada de maneira mais realista.

EXERCÍCIOS

1. (UTFPR) Em relação à obra Memórias de um Sargento de Milícias, marque a alternativa correta;

a) o tempo dos acontecimentos que envolvem Leonardo Pataca e seu filho, Leonardo, é o mesmo em que o narrador escreve no romance.

b) a linguagem do romance é bem romântica, idealizando muito e sempre os fatos que se revelam sob um prisma enaltecedor.

c) a instituição familiar, especialmente, a família composta por Leonardo Pataca, Maria e o herói da narrativa é sobretudo burguesa, ordeira e sólida.

d) a igreja, sobretudo a Católica, passa por um processo de idealização, emergindo como instituição inabalável, piedosa e principalmente voltada para a vida espiritual.

e) o cotidiano fluminense, simultaneamente devoto e profano, revela-se a partir de uma linguagem prosaica em que as festas religiosas são pintadas em parte como folias carnavalescas.

2. (UFPR) Considere as seguintes afirmações sobre Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antonio de Almeida:

I – publicado originalmente como folhetim, alcançou o patamar de cânone da literatura brasileira por inaugurar no Brasil e escola realista-naturalista, muito afeita a denuncias sociais.

II – a personagem principal, Leonardo Pataca, filho, embora tendo nascido em uma família desestruturada, dá mostras de superação pessoal no longo esforço que lhe custou alcançar o cargo de Sargento de Milícias.

III – na passagem do jornal para o livro, foram mantidos os elementos folhetinescos do original.

IV – como personagem José Dias, de Dom Casmurro, Leonardo Pataca, filho, é um exemplo de agregado, figura típica presente nas grandes famílias brasileiras, que ganham teto e comida em troca de pequenos favores.

Assinale a alternativa correta.

a) Apenas a afirmativa III é verdadeira

b) Apenas as afirmativas I, II e III são verdadeiras

c) Apenas as afirmativas II, III E IV são verdadeiras

d) Apenas as afirmativas I, II e IV são verdadeiras

e) Apenas as afirmativas I e II são verdadeiras

GABARITO

1. E

2. A

Capitães da Areia

7 jun
Capitães de Areia
Capitães da Areia

Em Os Capitães da Areia, não há um personagem principal, o “personagem principal” é um grupo de meninos de rua que viviam em Salvador.

Esse grupo vivia na miséria, sempre pedindo dinheiro e comida aos habitantes da capital Baiana, ou até mesmo roubando para sobreviver. Eles eram comandados por Pedro Bala, que era uma espécie de pai para os outros meninos, mesmo tendo a mesma idade deles.

Devido a serem pobres, eles eram excluídos da sociedade, tendo seu destino já previsto pelos mais ricos. Até o reformatório e o orfanato, que era pra lhes proporcionar uma vida mais estável, mostrava ainda mais a exclusão social dos personagens, e muitas vezes esses locais eram comparados ao inferno.

Os Capitães da Areia eram bastante envolvidos com a religião da Bahia, se envolviam tanto com a Igreja Católica, quanto com o Candomblé. Ao mesmo tempo em que se davam bem com o padre José Pedro, se davam bem também com a Mãe de Santo, Dona Aninha. Isso acontecia, pois a religião era um refúgio às péssimas condições de vida em que se encontravam.

O padre José Pedro é um dos únicos a se preocupar com os garotos, e a defendê-los. E Dona Aninha era amiga de todos os negros e pobres da Bahia.

O Catolicismo era defendido por um dos garotos, chamado Pirulito, e o Candomblé, era praticado pelo Pedro Bala, Boa Vida, Querido de Deus e João Grande.

O livro Capitães da areia (1937) foi publicado em pleno Estado Novo, nome dado ao período de 1937 a 1945, marcado pela ditadura de Getúlio Dornelles Vargas. O livro teve sua primeira edição apreendida e exemplares foram queimados em praça pública, na cidade de Salvador, por representantes do Governo Federal.
Nos anos 1940, com o fim do Estado novo, obteve enorme sucesso literário, com várias edições nacionais e traduções para línguas estrangeiras, como também adaptações para o rádio, o teatro e o cinema.

Panorama histórico

CAPITÃES DA AREIA

Segunda fase do modernismo período que vai de 1930 a 1945 e que talvez tenha testemunhado as maiores transformações ocorridas neste século.

A década de 1930 começa sob o forte impacto da crise iniciada com a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, seguida pelo colapso do sistema financeiro internacional: é a Grande Depressão, caracterizada por paralisações de fábricas, rupturas nas relações comerciais, falências bancárias, altíssimo índice de desemprego, fome e miséria generalizadas. Assim, cada país procura solucionar internamente a crise, mediante a intervenção do Estado na organização econômica. Ao mesmo tempo, a depressão leva ao agravamento das questões sociais e ao avanço dos partidos socialistas e comunistas, provocando choques ideológicos, principalmente com as burguesias nacionais, que passam a defender um Estado autoritário.

No Brasil, 1930 marca o ponto máximo do processo revolucionário, ou seja, é o fim da República Velha, do domínio das velhas oligarquias ligadas ao café e o início do longo período em que Vargas permaneceu no poder.

EXERCÍCIOS

1. (UFPE)

Irmão… é uma palavra boa e amiga. Se acostumaram a chamá-la de irmã. Ela também os trata de mano, de irmão. Para os menores é como uma mãezinha. Cuida deles. Para os mais velhos é como uma irmã que brinca inocentemente com eles e com eles passa os perigos da vida aventurosa que levam.

Mas nenhum sabe que para Pedro Bala, ela é a noiva. Nem mesmo o Professor sabe. E dentro do seu coração Professor também a chama de noiva.

Considerando a obra do autor do texto, assinale a alternativa incorreta.

(A) O autor faz parte do romance regional de 30, quando se aprofundaram as radicalizações políticas na realidade brasileira.

(B) Jorge Amado representa a Bahia, “descobrindo” mazelas, violências e identificando grupos marginalizados e revolucionários em Capitães de Areia.

(C) Dora, Pedro Bala e Professor são alguns dos personagens da narrativa, que aborda a dramática vida dos camponeses das fazendas de cacau no sul da Bahia.

(D) O tom da narrativa aproxima-se do Naturalismo, alternando trechos de lirismo e crueza. O nível de linguagem é coloquial e popular.

2. Leia o trecho abaixo, do capítulo “As luzes do carrossel”, de Capitães da Areia:

O sertanejo trepou no carrossel, deu corda na pianola e começou a música de uma valsa antiga. O rosto sombrio de Volta Seca

se abria num sorriso. Espiava a pianola, espiava os meninos envoltos em alegria. Escutavam religiosamente aquela música que

saía do bojo do carrossel na magia da noite da cidade da Bahia só para os ouvidos aventureiros e pobres dos Capitães da Areia.

Todos estavam silenciosos. Um operário que vinha pela rua, vendo a aglomeração de meninos na praça, veio para o lado deles.

E ficou também parado, escutando a velha música. Então a luz da lua se estendeu sobre todos, as estrelas brilharam ainda mais

no céu, o mar ficou de todo manso (talvez que Iemanjá tivesse vindo também ouvir a música) e a cidade era como que um

grande carrossel onde giravam em invisíveis cavalos os Capitães da Areia. Nesse momento de música eles sentiram-se donos da

cidade. E amaram-se uns aos outros, se sentiram irmãos porque eram todos eles sem carinho e sem conforto e agora tinham o

carinho e conforto da música. Volta Seca não pensava com certeza em Lampião nesse momento. Pedro Bala não pensava em ser

um dia o chefe de todos os malandros da cidade. O Sem-Pernas em se jogar no mar, onde os sonhos são todos belos. Porque a

música saía do bojo do velho carrossel só para eles e para o operário que parara. E era uma valsa velha e triste, já esquecida por

todos os homens da cidade.“

(Jorge Amado, Capitães da Areia. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, p. 68.)

a) De que modo esse capítulo estabelece um contraste com os demais do romance? Quais são os elementos desse contraste?

b) Qual a relação de tal contraste com o tema do livro?

Resolução:

a) O capítulo “As luzes do carrossel” apresenta uma questão relevante pelo autor: o lado humano dos capitães. Sempre havia brigas, revoltas,

roubos, estupros, mas eles eram crianças e tinham seus momentos de brincar, como é perceptível no fragmento do capítulo. Volta Seca e Sem

Pernas eram personagens altamente amargos e revoltados com as condições precárias que a vida os impôs: “O rosto sombrio de Volta Seca se abria num sorriso” e “Sem Pernas em se jogar no mar, onde os sonhos são todos belos”.

b) Os capitães de areia lutam diariamente pela sobrevivência, tornam-se adultos muito cedo, aprendem a lidar com a situação de que são

vítimas, possuem vida sexual, enganam, roubam, enfrentam a polícia e adquirem a malícia para viver. No entanto, são meninos cheios de

sonhos que recebem da sociedade a crueldade. No excerto do capítulo, há o contraste entre a opressão e discriminação dos menores de ruas – considerando o tema da obra – e a pureza pertencente a toda criança.

GABARITO

1. C

2.

3.

4.

http://fuvest.blogspot.com/2011/04/capitaes-da-areia.html

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.